A Lagoa de Marapendi tem sido usada desde o final dos anos 70 por velejadores, a maioria deles moradores da Barra da Tijuca, Recreio dos Bandeirantes e Jacarepaguá, que descobriram que além da beleza, a Lagoa é um ótimo lugar para se praticar o esporte da vela não precisando se deslocar para a Baia de Guanabara nem para a Lagoa Rodrigo de Freitas.

Por não haver nenhum clube náutico na localidade, muitos desses velejadores acabavam velejando sozinhos sem qualquer motivação que os levassem com maior freqüência a prática do esporte.

Em meados do ano de 2002, Antônio Basilio, de tradicional família de velejadores, após alguns anos afastado da vela, resolveu adquirir um barco da classe Laser e retornar a velejar. De início deixou seu barco guardado na marina do condomínio Novo Leblon,  mas como não tinha ninguém velejando por lá, acabou levando-o para o Rio Raquete Mar (atual Fisilabor), onde conheceu: Gilberto, Luizão, Francisco Aquino, Eduardo Aguillar, Márcio Petrucio, Cláudia, Raulino, Leonardo, Aurélio e Ruy, todos com pouca experiência no esporte da vela, mas com muita vontade de velejar.

A partir daí, motivados pelo Basilio, os velejos deixaram de ser solitários e passaram a ser em grupo. A motivação da galera crescia a cada novo encontro. Regras, técnicas e táticas começaram a ser conhecidas de todos; bóias foram montadas formando raias e pequenos “peguinhas” e regatas já estavam acontecendo. O papo era: Qual percurso fazer? Qual bóia montar? Quem seria o juiz para dar a largada? Quem tem preferencia ("água")? Quem tem "água" na bóia ? 

Os finais de semana passaram a ser movimentados, com o local   repleto de barcos e velejadores, dentro e fora da lagoa, atraindo assim a atenção das pessoas que frequentavam a academia de ginástica, o tênis, o squash, o quiosque e o windsurf que aos poucos foram se juntando ao grupo como: Aluisio, Andy, Artur, Caio, Carlos Molina, Celso, Christian, Edson, Fernando Basílio, Fernando Campos, Filipe, Filipe Rhodes, Francisco Lopes, João Luiz, Luiz, Luiz Eduardo, Mangoni, Marcelo Paranhos, Mônica, Pedro, Rafael, Renato, Ricardo, Ricardo Susinir e Viggo.

A partir de então, surgiu a idéia de se criar uma Flotilha de Barcos à Vela  com o intuito de ajudar a desenvolver o esporte na Lagoa de Marapendi. E no dia 10 de Janeiro de 2003, em uma pequena reunião, onde estavam presentes Antônio Basilio, Luiz Fernando (Luizão), Francisco Aquino, Fernando Basilio e Aluisio foi criada a Flotilha de Barcos à Vela, onde foram  eleitos: Luizão como Capitão e Antônio Basilio como secretário, tendo como principais metas organizar regatas mensais e integrar todos os velejadores e seus familiares em um só grupo.

Alguns meses depois a Flotilha passou a ser chamada de Flotilha BarraVela e teve seu logotipo desenvolvido por Cláudia Anelli.

Nos primeiros seis meses de Flotilha já tinha mais de 30 velejadores cadastrados e mais de 20 barcos em atividade.

 

QUE OS VENTOS SOPREM ETERNAMENTE FAVORÁVEIS A Flotilha BarraVela